XP e Scrum: qual método utilizar para seus projetos de software?

XP e Scrum: qual método utilizar para gerir seus projetos de software?

Pessoa apontando para um quadro com diagrama.

Descubra as principais diferenças entre as metodologias ágeis XP e Scrum, e saiba como escolher a melhor para os projetos da sua Software House!

Tempo de Leitura: 6 minutos

 

No universo do desenvolvimento de software, as metodologias ágeis são aliadas estratégicas, combatendo a rigidez e os prazos inflexíveis dos métodos tradicionais. Entre suas campeãs, XP e Scrum se destacam como as mais populares, mas qual delas é a ideal para o seu projeto? 

Descubra neste artigo as vantagens, desvantagens e indicações de cada uma, e qual delas escolher para potencializar a produtividade e eficácia da sua equipe e dos seus processos de desenvolvimento!

Conheça nosso manifesto

Breve histórico das metodologias ágeis

As metodologias ágeis foram criadas no final dos anos 1990 para resolver as limitações dos métodos tradicionais de desenvolvimento de software, como o modelo em cascata. Em 2001, o Manifesto Ágil formalizou os princípios dessas novas metodologias, que priorizam a interação humana, a colaboração com o cliente e a resposta rápida às mudanças.

Esse movimento mudou a forma como as equipes de desenvolvimento trabalhavam, trazendo mais flexibilidade, eficiência e qualidade ao processo de criação de software.

No mundo competitivo e mutável da tecnologia, adaptar-se rapidamente às mudanças é essencial. As metodologias ágeis permitem que as equipes de desenvolvimento entreguem valor de forma contínua e incremental, aumentando a satisfação do cliente e a qualidade do produto final. Ser ágil não é apenas uma vantagem competitiva, mas uma necessidade para sobreviver e prosperar no mercado atual.

Entendendo o Scrum

Inspirado nas práticas japonesas de produção enxuta, o Scrum adota uma abordagem iterativa para o desenvolvimento de software. A ideia principal do Scrum é entregar continuamente pequenas partes do projeto, o que permite ajustes rápidos e feedbacks constantes.

Origens do Scrum

O termo Scrum no desenvolvimento de software foi introduzido por um artigo da Harvard Business Review em 1986, intitulado "The New Product Development Game" de Hirotaka Takeuchi e Ikujiro Nonaka. 

Baseados em estudos de caso de empresas de manufatura nos setores automotivo, de fotocopiadoras e impressoras, os autores propuseram uma nova abordagem para o desenvolvimento de produtos que visava maior velocidade e flexibilidade. 

Eles, a princípio, chamaram isso de abordagem "rugby", onde um time único e multifuncional trabalha em fases sobrepostas, passando a "bola" de um para o outro, tentando avançar unidos. Essa abordagem evoluiu para o que hoje conhecemos como Scrum, detalhado posteriormente no texto "The Knowledge Creating Company".

Nos anos 90, Ken Schwaber aplicou o que se tornaria o Scrum em sua empresa, a Advanced Development Methods. Simultaneamente, Jeff Sutherland, John Scumniotales e Jeff McKenna desenvolveram uma abordagem similar na Easel Corporation, também utilizando o termo “scrum”. Posteriormente, Sutherland e Schwaber colaboraram para integrar suas ideias em um único framework, formalmente conhecido como Scrum.

Principais papéis, eventos e materiais do Scrum

No Scrum, temos três papéis principais:

  • Product Owner: Responsável por maximizar o valor do produto e gerenciar o backlog;
  • Scrum Master: Facilitador do processo, assegurando que a equipe siga os princípios do Scrum e removendo obstáculos;
  • Equipe de desenvolvimento: Um grupo autogerido e multifuncional que executa e entrega o software e demandas do projeto.

Os eventos do Scrum incluem:

  • Sprint: Um ciclo de trabalho de duas a quatro semanas para desenvolver partes do produto;
  • Sprint Planning: Reunião de planejamento para a próxima sprint;
  • Daily Scrum: Encontros diários de 15 minutos para alinhamento e discussão de progressos;
  • Sprint Review: Reunião ao final de cada sprint para revisão do trabalho e coleta de feedback;
  • Sprint Retrospective: Um momento para reflexão e identificação de melhorias no processo.

Os artefatos principais são o Product Backlog e o Sprint Backlog, também traduzidos como:

  • Backlog do Produto: Uma lista priorizada de todos os requisitos do produto, servindo como guia para o planejamento das sprints;
  • Backlog da Sprint: Uma lista das tarefas que serão realizadas durante o sprint, detalhando o trabalho a ser feito pela equipe.

Benefícios e desafios do Scrum

O Scrum oferece vantagens como transparência, entrega contínua de valor e adaptabilidade rápida às mudanças. Contudo, a sua implementação pode ser desafiadora, exigindo disciplina, comprometimento da equipe e mudanças culturais na organização.

Desvendando o XP (Extreme Programming)

O Extreme Programming (XP), nascido na mente de Kent Beck nos anos 90, é uma metodologia ágil que coloca a excelência técnica e a satisfação do cliente no topo da priorização. Por meio de práticas rigorosas e colaborativas, o XP garante que o software seja impecável e atenda às expectativas dos clientes.

Princípios do XP

Existem princípios que sustentam os pilares do XP, entre eles:

  • Feedback constante: A comunicação aberta e frequente é a chave. Feedback do cliente e da equipe garante que o software esteja no caminho certo;
  • Comunicação eficaz: Trocar ideias de forma clara e concisa é fundamental. O XP incentiva a comunicação direta e honesta entre todos os envolvidos no projeto;
  • Simplicidade: Evite complicar as coisas — busque soluções simples e elegantes para os problemas de desenvolvimento, facilitando a manutenção e a evolução do software;
  • Coragem para mudanças: O mundo é dinâmico e o XP também. Seja flexível e esteja pronto para adaptar o projeto às novas necessidades e desafios.

Práticas-chave do XP

Entre as práticas mais comuns dessa abordagem estão:

  • Programação em pares: Dois desenvolvedores trabalham juntos no mesmo código, o que eleva a qualidade e facilita a troca de conhecimento;
  • Desenvolvimento Orientado a Testes (TDD): Criar testes automatizados antes mesmo de escrever o código, assegurando que o software cumpra os requisitos desde o começo;
  • Integração contínua: Integrar e testar o código frequentemente para reduzir erros e conflitos;
  • Refatoração: Aprimorar constantemente o código para mantê-lo simples e adaptável;
  • Jogos de planejamento: Reuniões colaborativas com o cliente para estabelecer prioridades e ajustar o escopo e requisitos para a próxima semana e/ou ciclo específico do projeto.

Vantagens e desafios

O XP é benéfico por promover alta qualidade de código, adaptabilidade e uma colaboração intensa com o cliente. Contudo, pode ser desafiador manter o alto nível de disciplina requerido e convencer todos os envolvidos da importância dessas práticas intensivas.

Scrum vs. XP: comparativo detalhado

Tanto Scrum quanto XP são metodologias ágeis que promovem a entrega incremental de software, o feedback constante e a colaboração próxima com o cliente. Ambas enfatizam a adaptação às mudanças e a melhoria contínua. Vamos entender suas diferenças a seguir:

Diferenças marcantes e quando escolher cada uma

A principal diferença entre Scrum e XP está no foco. Enquanto o Scrum é mais focado na gestão de projetos e na organização da equipe, XP enfatiza práticas técnicas rigorosas e excelência de código.  Confira a tabela comparativa:

Característica

Scrum

XP (Extreme Programming)

Foco principal

Gestão de projetos e organização da equipe

Excelência técnica e práticas de desenvolvimento

Ciclos de trabalho

Sprints de 2 a 4 semanas

Iterações curtas de 1 a 2 semanas

Papéis

Product Owner, Scrum Master, Equipe de Desenvolvimento

Cliente, Programador, Coach

Planejamento

Sprint Planning, Product Backlog, Sprint Backlog

Planejamento de Jogos, Release Planning

Reuniões

Daily Scrum de 15 minutos

Stand-ups diários e informais

Feedback

Sprint Review com feedback do cliente

Feedback contínuo e frequente do cliente

Entrega

Entregas incrementais ao final de cada sprint

Entregas frequentes e contínuas

Práticas técnicas

Menos detalhadas

Programação em Pares, TDD, Refatoração, Integração Contínua

Documentação

Documentação leve

Código bem documentado através de testes

Mudanças

Adaptação ao final de cada sprint

Adaptação contínua

Qualidade

Importante, mas não tão enfatizada

Alta prioridade, com foco em práticas técnicas rigorosas

Ferramentas

Jira, Trello, Azure DevOps

Jenkins, Travis CI, ferramentas de CI/CD

Suporte

Scrum Master orienta a equipe

Coach XP orienta a equipe

Quando escolher o Scrum?

  • Projetos que requerem uma organização clara e papéis definidos;
  • Equipes novas em metodologias ágeis;
  • Projetos onde a gestão e a comunicação são primordiais.

Quando escolher o XP?

  • Projetos que exigem alta qualidade de código e práticas técnicas rigorosas;
  • Equipes com experiência em metodologias ágeis e habilidades técnicas avançadas;
  • Projetos onde a entrega frequente e a adaptabilidade são essenciais.

Combinando Scrum e XP: uma abordagem híbrida

Agora, e se você não precisasse escolher? E se pudesse adotar Scrum e XP nos seus projetos, e explorar o que cada método tem de mais interessante? 

A verdade é que uma abordagem híbrida que combina Scrum e XP pode ser altamente eficaz! Afinal, o Scrum fornece a estrutura organizacional e os eventos para gerenciamento, enquanto o XP traz as práticas técnicas que vão garantir a alta qualidade do código. 

Esta combinação pode potencializar a eficiência e a qualidade da equipe de desenvolvimento, trazendo o melhor dos dois mundos para o seu projeto. Na prática, essa união pode funcionar da forma que for mais conveniente e funcional para a sua empresa de software. Mas você pode, por exemplo:

  • Utilizar o backlog do produto e o backlog da sprint do Scrum para gerenciar os requisitos e as tarefas;
  • Implementar o Daily Scrum para manter a equipe sincronizada e focada;
  • Realizar a Sprint Review e a Sprint Retrospective para inspecionar e adaptar o trabalho e o processo;
  • Incorporar práticas XP como TDD, programação em pares, integração contínua e refatoração para garantir a qualidade do código e a capacidade de mudança.

Implementando metodologias ágeis: dicas práticas

Como vimos, a escolha entre XP e Scrum deve ser baseada nas necessidades específicas do seu projeto e equipe. Considere fatores como a complexidade do projeto, o nível de habilidade técnica da equipe, a necessidade de adaptação frequente e a cultura organizacional. 

Uma avaliação honesta dessas necessidades ajudará a determinar a metodologia mais adequada. Além disso, pense também em:

Preparar sua equipe para a transição

A transição para as metodologias ágeis pode ser desafiadora. É importante preparar sua equipe com treinamentos, workshops e uma comunicação clara sobre os benefícios e expectativas. Isso porque o sucesso da adoção ágil depende do desenvolvimento de habilidades essenciais na equipe:

  • Comunicação: A comunicação aberta e frequente entre todos os envolvidos é o que determina o sucesso de qualquer projeto ágil. Técnicas como Daily Stand-up meetings e retrospectivas facilitam esse processo;
  • Auto-organização: Equipes ágeis precisam ser auto-organizadas, capazes de planejar seu trabalho, gerenciar o tempo e resolver problemas de forma autônoma;
  • Ownership: Cada membro da equipe deve ter senso de ownership (propriedade) do produto final, o que aumenta a motivação e a qualidade do trabalho;
  • Aprendizado contínuo: As metodologias ágeis incentivam o aprendizado contínuo. A equipe deve estar aberta a experimentar novas práticas, receber feedbacks e se adaptar às mudanças.

Explorar ferramentas e recursos úteis

Há diversas ferramentas que podem facilitar a implementação de metodologias ágeis, como Jira, Trello e Azure DevOps para gestão de projetos, bem como ferramentas de integração contínua como Jenkins e Travis CI. Recursos educacionais, como cursos online e livros, também são valiosos para aprofundar o conhecimento da equipe sobre práticas ágeis.

Em suma, o agile é uma filosofia, não apenas um conjunto de práticas. Ao abraçar os valores e princípios ágeis, você pode desfrutar de maior produtividade, equipes mais engajadas e clientes satisfeitos.

Quer discutir mais sobre esse assunto e compartilhar com a gente como é a experiência na sua empresa? Então acesse a comunidade da Casa do Desenvolvedor, uma rede forte, diversa e engajada para ampliar seu networking e oportunidades de aprendizado, troca de experiências e parceria:

E se quiser continuar lendo sobre métodos e recursos que podem contribuir com seus projetos de software, explore os nossos conteúdos sobre Tecnologia e Desenvolvimento —  você vai gostar!

Casa do Desenvolvedor
Casa do Desenvolvedor
Somos a Casa do Desenvolvedor, uma comunidade que tem como propósito, fortalecer o desenvolvimento de software no Brasil. Faça parte você também dessa comunidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pular para o conteúdo