Inteligência: descubra agora o segredo para se aprender inteligência.

Inteligência: descubra agora o segredo para se aprender inteligência.

Aprendendo Inteligência
 

É possível aprender inteligência? É possível ser mais inteligente? Sim! Confira agora no artigo como tudo acontece.

 

Tempo de Leitura: 6 minutos

Você, alguma vez, já pensou ou ouviu alguém dizer que inteligência é algo com que o ser humano já nasce ou que é inteligente porque, certamente, os pais também são inteligentes? Provavelmente, sim.

E é através deste artigo que desmistificaremos de forma breve sobre este assunto.

Primeiramente, podemos começar pela definição de inteligência; o que não é tão simples, pois, ela é definida de muitas formas ao longo da história. Porém, popularmente falando, a inteligência se dá pela capacidade que o ser humano possui em resolver problemas, adaptar-se a inúmeras situações, possuir controle emocional, ter uma boa compreensão de ideias complexas, dispor o autoconhecimento, conservar boa memória, entre muitas outras capacidades.

Parece clichê o que escreverei aqui, mas, todos nós nascemos como uma folha em branco; ninguém nasce médico, empresário ou professor. Ao longo da vida, vamos recebendo estímulos, criando interesse por determinados assuntos e, assim, nos tornamos quem somos hoje. O nosso cérebro ainda é a única “máquina” que pensa e, de acordo com Pierluigi Piazzi - um grande escritor sobre o desenvolvimento da inteligência -, seria necessário 15.000 computadores (do ano de 2015) para reproduzir um único impulso eletroquímico do cérebro humano.

E se eu te contar que a inteligência -  assim como talento, vocação, caráter e profissão -  é uma habilidade que pode ser aprendida e desenvolvida ao longo da vida, você acredita?

Então, fica aqui comigo que já vou te apresentar cinco passos necessários para o desenvolvimento dessa soft skills.

Conheça a Casa do Desenvolvedor

Reprograme a sua mente

Sim! O primeiro passo é você reprogramar a sua mente e acreditar que é possível que uma pessoa neurologicamente saudável é totalmente capaz de desenvolver qualquer tipo de habilidade e competência. Sabe aqueles pensamentos que vêm à nossa mente, de repente, nos fazendo acreditar que nunca conseguiremos evoluir em determinado assunto ou em determinada habilidade? Como este: “Ai, nunca vou conseguir cursar alguma graduação na área de exatas, pois não tenho inteligência suficiente para isso!” ou este: “Nunca vou aprender a andar de skate!”. Quem nunca pensou algo assim? Posso afirmar, com minha experiência, que este passo é muitíssimo importante; eu era a pessoa que pensava como o primeiro exemplo, nunca me imaginava na área de exatas. Em todos os meus planos eu estava seguindo uma carreira na área de humanas. Quando parei para “reprogramar” minha mente e acreditar que eu era capaz, percebi que meus horizontes se expandiram de forma inenarrável.

O nosso cérebro é capaz de qualquer coisa; como escrevi mais acima, ele é a única “máquina” que pensa e, tudo que foi criado hoje, tecnologicamente falando, foi o cérebro de um homo sapiens - ser humano -  quem criou. Não dê ouvidos a rótulos que foram dados durante a sua vida e, com isso, já dará um grande passo à frente.

Observe e selecione as melhores atividades

Evite atividades que possam ocasionar a estagnação ou até mesmo a regressão da sua inteligência. 

Temos como exemplo a utilização de drogas que são permitidas, como: álcool, tabaco e ritalina. Como já é sabido, o uso prolongado destas, ocasionam danos permanentes ao nosso cérebro e nossa saúde em geral, além de refrear a celeridade e a perspicácia de nosso raciocínio, fazendo com que a deficiência mental se transforme numa deficiência neurológica irreversível. Não deve ser nada fácil se sacrificar tirando esses prazeres do nosso cotidiano, porém é muito importante aplicar, aos poucos, esses pequenos passos para que possamos contemplar resultados satisfatórios nas áreas onde fracassávamos anteriormente.

Outra atividade que, usada de maneira errada, acaba imbecilizando o nosso cérebro: televisão e redes sociais. Hoje, através destes meios de comunicação, temos acesso a milhares de informações diárias de qualquer lugar do mundo em segundos, e é muito importante que saibamos discernir o que realmente está sendo saudável para nutrir nossa mente. Algumas pesquisas relatam que a internet e as redes sociais viciam tanto

quanto drogas químicas. Já ouviu dizer que tudo em excesso faz mal? Adquirindo esses hábitos de forma excessiva e irresponsável acabamos deixando de lado algumas formas de lazer mais úteis, como a prática de esportes e a leitura, por exemplo. A falta do hábito regular de leitura ocasiona o analfabetismo funcional que, segundo o resultado publicado recentemente pelo Indicador de Analfabetismo Funcional (Inaf), está presente em 38% dos universitários do Brasil considerados analfabetos funcionais.

Estude de maneira produtiva

Muitas vezes imaginamos que para aprender algo é necessário estudar muito (por muitas horas) sobre determinado assunto de nosso interesse. E se eu te disser que não é bem assim? O que vai ser eficaz é a qualidade no tempo de estudo que você dedica àquele assunto e não a quantidade de horas. É muito importante, também, manter a constância: estudar pouco e todos os dias.

Vamos ver alguns exemplos diários: faculdade e/ou cursos. Qual o nosso intuito em nos matricularmos em um ensino superior ou em algum curso: somente pegar o diploma ou aprender e nos tornar mais inteligentes na área escolhida? Bom, vou supor que todos vão escolher a segunda opção. O pensamento errôneo de muitos estudantes é pensar em estudar somente para tirar a média e passar nas disciplinas para pegar logo o diploma; não pensam em aproveitar aquela oportunidade para, realmente, aprender sobre os assuntos. Isso acontece por enraizarem desde a infância um modo de estudar totalmente ineficaz, que é “estudar como todo mundo estuda”. O que é “estudar como todo mundo estuda”? Escrevi mais acima: estudar somente para tirar a média e passar nas disciplinas para pegar logo o diploma. Você já percebeu que tudo ao nosso redor evolui mais rápido, menos a sala de aula? Ela continua a mesma há muitos anos e, com isso, a maneira de como estudar também permanece a mesma aqui no Brasil. Então, para fixar: estudo não é questão de quantidade, é questão de qualidade!

Faça seu cérebro se exercitar

Assim como nosso corpo, o cérebro também precisa se exercitar diariamente (só que, logicamente, de forma mental). Como podemos fazer esse exercício mental? Buscando desafios e enfrentando-os. Você já passou por alguma situação onde foi muitíssimo difícil encontrar uma solução para ela, porém conseguiu? Certamente, após a resolução daquele problema, você deve ter sentido uma sensação enorme de realização, não é? Como: “Nossa! Foi difícil… chorei, sorri, mas consegui resolver esse problema!”. Isso é encarar um desafio.

Sempre que nos deparamos com alguma situação e temos como escolher entre uma maneira mais fácil - onde não faremos tanto esforço em resolver -, e outra maneira mais difícil - onde precisaremos realizar um maior esforço para resolver da melhor maneira possível -, opte por realizar a mais difícil, pois é com ela que você desenvolverá, de forma mais produtiva, a sua inteligência.

Algumas dicas fundamentais para uma boa “musculação mental” são os bons e velhos instrumentos como: palavras-cruzadas, quebras-cabeças, charadas, problemas matemáticos, livros de suspense e de histórias policiais, leituras em geral e etc.

Leia com frequência

Essa dica aqui já estamos cansados de ouvir, não é? E sim, a leitura vai ser sempre uma ótima maneira de desenvolvermos nossa inteligência, de melhorar nossas habilidades em escrita e na fala, além de muitos outros benefícios. A grande dificuldade está no fato das pessoas não terem prazer em ler, e isso está sendo ocasionado por dois principais fatores: falta de estímulos e preguiça mental.

Muitas das vezes, principalmente nas escolas, somos obrigados a ler livros - principalmente no ensino médio - que nunca, sequer, leríamos por livre e espontânea vontade, e tudo isso por exigência de um sistema educacional arcaico e falho. Isso acaba causando um certo repúdio nos indivíduos, fazendo com que eles percam a vontade de ler mesmo que seja por prazer. E se alguém que já não tem estímulo de leitura, passa por essa situação, acaba dificultando ainda mais a execução desta prática.

Eis a questão do que é mais fácil e divertido: rolar um feed do instagram cheio de novidades e informações a cada segundo onde não é necessário fazer seu cérebro trabalhar tanto, ou fazer sua mente se esforçar e se concentrar para ler um livro sem imagens? É aí que entra a famosa preguiça mental que, quando não exercitamos nosso cérebro diariamente, vai optar pela atividade que exige menos esforço. Não estou dizendo que é errado optar pelas redes sociais, TVs ou games; o problema é que, quando utilizado em excesso, acaba se tornando prejudicial à nossa mente, conforme vimos mais acima. Como cita o professor Pier: “Só escreve bem quem lê bem e só lê bem quem lê muito e só lê muito quem lê por prazer!”.

Se você quer descobrir o prazer de ler, serão necessários dois passos principais: dar uma reduzida nas telas que nos rodeiam e começar a buscar pelo livro que foi escrito para você. Sim, desses milhares de livros que foram escritos no mundo, pelo menos um deles foi escrito para você e é por eles que deverá buscá-lo. Como? Escolha qualquer livro (menos técnico) e comece a buscar. Essa busca pode ser curta ou longa, mas não desista de procurar; se o livro estiver chato, pare e comece outro.

E com essas dicas, encerro esse pequeno artigo mostrando que inteligência é algo, sim, que pode ser aprendido diariamente. É como uma escada: um passo de cada vez para não cansar, nem cair.

Quando nos tornamos cada vez mais inteligentes, além de termos sucesso em nossas vidas acadêmica e profissional, também teremos uma vida mais interessante e os saberes trarão mais sentido à nossa jornada. Super indico a leitura do livro: “Aprendendo inteligência” do professor Pierluigi Piazzi. Ele destrincha de forma bem ampla sobre esse assunto!

Quer aprender mais? Acesse nosso fórum e troque conhecimento, clique no botão abaixo.

 Espero ter te ajudado com esse conteúdo e que você coloque em prática tudo o que aprendemos por aqui. Até breve!

Daiane Laranjeiras
Daiane Laranjeiras
Consultora técnica na TecnoSpeed, graduanda em Sistemas para Internet. Professora se redescobrindo na área de tecnologia que, nas horas vagas, se joga no universo da leitura e adora aprender sobre outras culturas.

2 Comments

  1. Alessandra disse:

    Amei o texto. Transicionar a mente não sei uma tarefa fácil,mas entendo pois tbm passo por isso. Vc é muito dedicada e consciente das suas habilidades. Um grande bj.

  2. Esther disse:

    Amei!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.