Gestão de Produto: Desvendando Conceitos

Gestão de Produto: conceitos essenciais e estratégias para o Sucesso Empresarial

Descrição de Imagem: Um conjunto de indivíduos reunidos em torno de uma mesa empresarial.

Descubra a essência da Gestão de Produtos em Software: estratégias, áreas-chave e papéis. Uma jornada essencial para inovação e sucesso empresarial.

Tempo de Leitura: 8 minutos

A gestão de produto vem se tornando fundamental no universo de software a partir da década de 10’ - quando o movimento de startups explodiu e as empresas passaram a tratar seus times de TI de forma cada vez mais estratégica - desempenhando um papel fundamental no desenvolvimento, lançamento e aprimoramento contínuo de soluções para potencializar o seu retorno.

No contexto dinâmico e competitivo atual, onde os mercados de tecnologia estão cada vez mais competitivos, a capacidade de gerenciar eficazmente o ciclo de vida de um produto e compreender como ganhar mercado tornou-se um diferencial estratégico para aqueles empresários que buscam se destacar no mercado. 

Nesse artigo, buscamos trazer uma compreensão do que é gestão de produto a partir de conceitos atuais e a importância crescente que desempenha na criação e sustentação de produtos inovadores.

O que é Gestão de Produto no contexto de Software?

A Gestão de Produtos é uma disciplina estratégica que abrange o desenvolvimento, lançamento e aprimoramento contínuo de produtos de software. Essa função desempenha um papel crucial na coordenação de esforços entre equipes multidisciplinares, como desenvolvimento, marketing, design e vendas, com o objetivo de garantir o sucesso de um produto ao longo de seu ciclo de vida.

O Product Manager (Gestor de Produto) é um dos profissionais responsáveis por liderar esses esforços, atuando como elo entre as diversas partes interessadas e tomando decisões informadas para alcançar os objetivos estratégicos da empresa. Suas responsabilidades incluem a definição da visão do produto, priorização de recursos, gestão do roadmap (caminho a ser seguido), análise de mercado, entendimento das necessidades dos clientes e garantia de que o produto atenda às expectativas e exigências do mercado.

Mas se engana quem pensa que o Product Manager é o único profissional envolvido nesse trabalho, que tem se tornado cada vez mais complexo. A Gestão de Produtos cada vez mais aparece em um espaço estratégico nas empresas, possuindo desdobramento desde cargos de C-Level, até a parte mais operacional. Adiante, explicaremos melhor sobre como esses cargos e funções se organizam em uma empresa.

A gestão de produto envolve também um trabalho contínuo do desempenho do produto, feedback dos clientes, conquista de mercados e ajustes estratégicos operacionais, conforme necessário.

Compreendendo a abrangência da área de Gestão de Produtos, podemos entender que ela não é uma função puramente técnica. Possui uma combinação de conhecimentos de tecnologia, uma boa visão de mercado, capacidade de lidar com stakeholders, comunicação para lidar com equipes multidisciplinares, clientes, análise de dados e boa capacidade de resolução de problemas.

Quais são as áreas que englobam a Gestão de Produto?

O objetivo da Gestão de Produto é maximizar os resultados de um produto, onde nesse caso falamos de Software. Os resultados estão geralmente relacionados à receita e caixa, mas a empresa ainda pode estar buscando em um determinado momento outros resultados estratégicos, como retenção, ou satisfação dos clientes.

Para buscar a maximização dos resultados, o Gerente de Produto precisa ter um bom Plano Estratégico, que abrange muito além da área de tecnologia e desenvolvimento.

Uma boa gestão de produto precisa trabalhar em quatro diferentes áreas, que se complementam, segundo a Reforge: Gestão de Features, Growth, Expansão e Product Market Fit e Escala.

Gestão de Features:

Definir e planejar quais features do produto precisam ser potencializadas, quais precisam ser retiradas do mercado e quais precisam ser construídas, visando maximizar resultados de engajamento, monetização ou expansão.

Growth:

São as estratégias utilizadas para aumentar a quantidade de usuários, aumentar o quanto os usuários gastam com o produto ou aumentar a quantidade de vezes que o usuário utiliza o produto. 

Expansão e Product Market Fit*:

Definir e planejar formas de alcançar mercados e nichos que atualmente não estão sendo alcançados pelo produto, novos casos de uso, ou também incorporar outros produtos que podem ampliar a oferta para os usuários atuais.

Escala:

Pensar em como escalar os processos envolvidos no negócio, a tecnologia - para suportar cada vez mais usuários - e a experiência do cliente, para que ele possa usar cada vez mais o produto sem atritos.

Essas áreas são complementares e se entrelaçam em um plano estratégico de Produto, de forma que os ganhos conquistados em cada uma dessas frentes potencializa outras que estão sendo trabalhadas.

De usuários gratuitos em usuários pagos, você pode chegar a conclusão de que uma feature específica precisa mudar para os clientes enxergarem valor, por exemplo, ao entender o porquê um produto possui uma baixa taxa de conversão solução a ponto de pagar pelo produto, envolvendo o time técnico, designers e UX na sua Gestão de Features. Mas, esse problema pode estar atrelado ao desempenho, e isso pode definir uma estratégia de Escala.

Você já deve ter compreendido aqui que um Plano de Produto engloba diferentes áreas de um negócio, como Marketing, Vendas, Desenvolvimento, Design, UX, Suporte, Customer Success. Basicamente, montar um plano de produto completo é costurar estratégias que passam por praticamente todas as áreas estratégicas de um negócio.

*Product Market Fit é o termo utilizado para definir o momento de um produto em seu ciclo de vida, quando ele encontra um nicho de atuação onde ele consegue, através de uma estratégia assertiva, ganhar escala com rentabilidade, expandindo rapidamente a sua base de usuários. Um exemplo prático é o Gympass, que passou a crescer muito mais rápido quando passou a vender seu serviço para empresas e deixou de atender diretamente os usuários.

Quais os papéis que existem na Gestão de Produto?

A área de Gestão de Produtos é responsável por descobrir esses problemas, elaborar planos e executá-los passando pelas áreas responsáveis. 

É comum atribuirmos essas funções de cara para o Gerente de Produto (PM), mas dentre todas as responsabilidades envolvidas, existe uma hierarquia de papéis que tem se tornado cada vez mais estratégica nas empresas. 

Grandes organizações, referências na área de Produto como Slack, CNN, Uber, Microsoft, Figma, Adobe, entre outras, possuem diferentes níveis hierárquicos que se complementam na área de produto, indo desde o nível operacional, passando por níveis de Gerência, Heads, VPs até chegar no C-Level.

Esses profissionais da Gestão de Produto precisam construir e executar essas estratégias que potencializam os resultados dos produtos que estão sob sua gestão, e isso reflete de maneira direta na estratégia dessas empresas. 

Isso é feito através da busca por atender os objetivos e desdobrar esses problemas que precisam de soluções. 

Um problema para um Gerente de Produto não é uma questão técnica, uma parada inesperada ou um bug. Para quem conhece o Design Thinking e o Lean Startup, um problema está próximo de uma hipótese.

Um problema pode ser “a taxa de conversão baixa”, “uma insatisfação de usuários com uma determinada experiência do produto”, “vendas estão abaixo do esperado”, ou objetivos como “dobrar a quantidade de usuários” ou “crescer a receita em 20%”.

Problemas podem ser convertidos em OKRs e KPIs de produtos, que precisam ser desdobrados, para criar ações aos os times de produto. É importante entender esse conceito de problema, para ficar mais clara as responsabilidades de cada papel.

E para entender a hierarquia em uma área de produto, listamos os principais cargos e responsabilidades que estão presentes nas empresas com áreas mais estratégicas e consolidadas:

Associate Product Manager (APM)

Essa é a função base operacional e de execução da Gestão de Produto. Esse profissional recebe dos PMs os problemas e as soluções que precisam ser implementadas e as executa junto às equipes envolvidas no produto. Essas equipes podem ser multidisciplinares, compostas por desenvolvedores, designers, engenheiros, entre outros. Geralmente, os planos de ação de Produto são multidisciplinares, então é fundamental o APM saber se comunicar com diferentes perfis.

O Associate Product Manager não tem a gestão das equipes, ele apenas conduz os planos de ação, reporta aos PMs e faz a interface com os times, similar ao papel de um Gerente de Projetos.

Product Manager (PM)

O Product Manager é o responsável por buscar soluções para os problemas que são identificados pelos Product Leaders. Precisa conhecer profundamente os clientes de seu produto e as suas necessidades, para que possa definir soluções que resultem em resultados para o produto que gerencia. 

Essa é a função mais comum nas empresas que já possuem uma estrutura de Gestão de Produtos e nas equipes mais enxutas, costuma acumular as responsabilidades do APM.

Senior Product Manager (SPM)

O Senior Product Manager (SPM) pode ser considerada a liderança técnica dos PMs, assumindo mais responsabilidades e projetos mais complexos. Ele geralmente possui experiência com Gerência de Produtos e consegue trabalhar com facilidade métricas, estratégias, planos e orientar os gerentes de produtos menos experientes.

Product Leader ou Group Product Manager (GPM)

O Product Leader, ou em algumas empresas também conhecido como Group Product Manager é o líder dos Gerentes de Produto e geralmente responsável por todo um produto ou portfólio. Ele é responsável por desdobrar as estratégias da empresa e buscar problemas que devem ser designados aos Gerentes. Ele é o primeiro nível da área de produtos onde ele se torna uma liderança direta com responsabilidades estratégicas. Seu papel é de gestor, direcionando os PMs, alinhando os planos das áreas, acompanhando, reportando para a Diretoria, desenhando e otimizando processos e garantindo a performance dos seus liderados.

Product Director

O Product Director também é conhecido em algumas empresas como Head de Produto. Ele é responsável por definir as estratégias de um produto e fazer a interface com as equipes envolvidas em seu produto ou portfólio de soluções. O seu escopo de atuação rompe as fronteiras da área de produto, porque ele precisa garantir o sucesso da operação como um todo, embora na maioria dos casos não tenha outras equipes, que não as de produto, sob sua gestão.

Aqui, o profissional passa a olhar também para fora, construindo relacionamento com parceiros e clientes estratégicos, estar atento ao mercado e buscar expandir os horizontes da estratégia de produto. 

Product VP

O VP de Produto é um cargo intermediário entre o CPO e o Product Director. Geralmente é o responsável por um portfólio inteiro de produtos onde possui vários Product Directors sob sua gestão.

CPO (Chief Product Officer)

O CPO é o C-Level da área de produto. Ele é o responsável por toda a área de produto e deve estar continuamente buscando oportunidades para os produtos, consolidando parcerias, participando de M&As que fortaleçam o seu ecossistema e acompanhando o mercado para garantir que a sua área tenha contribuições para a estratégia de toda a organização.

Embora haja uma definição para cada uma das responsabilidades, na Gestão de Produto é fundamental destacar que existem muitas diferenças de empresa para empresa, conforme as características do produto, a hierarquia, os processos, a cultura e o seu porte. Na grande maioria dos casos, onde não há uma estrutura formalizada de Gerência de Produtos, o profissional acumula funções e responsabilidades horizontais, se tornando um responsável geral por um produto, portfólio ou times, ou verticais, assumindo mais de um papel da carreira de produto.

Quais as competências essenciais para a Carreira de Produto?

De Associate Product Manager até o Senior Product Manager, as responsabilidades estão diretamente ligadas à execução de planos de produto. Ao realizar a passagem para o Product Leader, existe uma transição para um cargo de liderança e o papel passa a ser de gestão, muito mais do que execução.

Para construir uma carreira na área de Produto, uma premissa do início é estar imerso no ecossistema de tecnologia. A formação na área de tecnologia não é uma premissa e não é raro vermos gerentes de produto que sejam administradores, publicitários, economistas ou engenheiros de formação. Isso porque a área de Produto exige conhecimento de mercado, facilidade de lidar com clientes, executar projetos, boa comunicação e conhecimentos multidisciplinares.

Embora o profissional não precise ter contato com código, estará em constante contato com equipes de desenvolvedores e precisará, quando necessário, extrair informações de bases de dados utilizando de SQL, ou de NoSQL, por exemplo.

Conclusão

A gestão de produto no contexto de software emerge como uma disciplina essencial para a estratégia de qualquer organização que tenha a Tecnologia como uma área relevante. Ela não apenas desempenha um papel crucial no desenvolvimento, lançamento e aprimoramento contínuo de soluções de software, mas também se tornou um diferencial estratégico para ganhar mercado e tornar os clientes satisfeitos.

Ao compreender a abrangência da gestão de produtos no universo do software, delimitamos quatro áreas interdependentes: Gestão de Features, Growth, Expansão e Product Market Fit, e Escala. Cada uma dessas áreas desempenha um papel vital na maximização dos resultados dos produtos, proporcionando um quadro estratégico abrangente para os profissionais de gestão de produto.

Além disso, exploramos os diversos papéis que compõem a hierarquia na gestão de produto, desde o Associate Product Manager até o Chief Product Officer. Esses profissionais desempenham funções específicas, desde a execução operacional até a liderança estratégica, todos contribuindo para o sucesso global do produto e, por conseguinte, da empresa.

A construção de uma carreira na gestão de produtos requer não apenas conhecimentos técnicos, mas também habilidades de liderança, compreensão de mercado, e a capacidade de traduzir problemas em oportunidades de inovação. Em última análise, a gestão de produto transcende as fronteiras tradicionais, conectando-se a diversas áreas estratégicas de um negócio, desde marketing e vendas até desenvolvimento, design e suporte ao cliente.

Diante desse panorama, fica evidente que a gestão de produto é uma disciplina multifacetada e essencial para empresas que buscam não apenas sobreviver, mas prosperar em um ambiente empresarial cada vez mais desafiador. Ao abraçar as práticas e princípios da gestão de produto, as organizações podem posicionar-se estrategicamente para inovar, crescer e atender de maneira eficaz às crescentes demandas e expectativas do mercado.

Gostou deste conteúdo?
Então te convido a participar da nossa comunidade e trocar conhecimento sobre Gestão Empresarial, basta clicar no botão abaixo:

Renan Freitas
Renan Freitas
Atuando na área de tecnologia desde 2013. Hoje trabalho na TecnoSpeed como Gerente de Operação do PlugBank e Plugdash.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pular para o conteúdo